A frase “Não existem pequenos países, mas pequenas ideias”, de Paul Otlet, pensador e idealizador da construção de um mundo pacificado e interligado pelos conhecimentos, ilustra de forma bastante atual o ambiente globalizado das chamadas sociedades da informação. Desde meados do século XX, o teórico e criador da Documentação referenciou uma linhagem de estudos e questões que influenciou pesquisadores em muitos países, inclusive na França e no Brasil, abrindo-se as primeiras vias para uma interlocução sobre o campo de estudos da informação entre os dois países.

Mais tarde, nos anos 70 do século passado, outro precursor, Jean Meyriat, acolheu e dialogou com pesquisadores brasileiros sobre temas e questões de pesquisa da informação, quando organizou na Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales- EHESS o Doctorat de 3ème. Cycle en Sciences de l’Information et de la Communication, enquanto no Brasil criava-se o primeiro programa de pós-graduação em Ciência da Informação, pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia-IBICT, em acordo com a Universidade Federal do Rio de Janeiro-UFRJ, seguido pelos Programas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Universidade de Brasília (UnB).

A partir da década de 1990, graças aos esforços de instituições, pesquisadores e laboratórios de pesquisa nos dois países, o campo de estudos da informação e da comunicação se consolida como área não apenas profissional e de ensino, mas também como disciplina de pesquisa e de produção de conhecimentos, quando se conservaram e ampliaram os intercâmbios entre grupos de pesquisa no Brasil e na França.

A Rede MUSSI assume a missão de dar sequência e consolidar esses elos históricos, os quais vêm se fortalecendo nos últimos anos com o trânsito de pesquisadores e estudantes de laboratórios de pesquisa dos dois países em conferências, cursos, colóquios, visitas, estágios de pós-doutorado, publicações e outras atividades.

Em junho de 2007 foi realizado, na França, o primeiro encontro para discutir a criação de uma rede de pesquisadores em informação conservando o espírito otletiano, apagando-se fronteiras geográficas e institucionais para promover estudos e pesquisas conjuntas sobre o papel exercido pela informação no desenvolvimento das sociedades.

Nessa direção, a temática proposta pela rede pretende abarcar questões que dizem respeito às novas formas de apropriações dos conhecimentos, saberes e informações, e suas mediações culturais, epistemológicas, metodológicas, técnicas, políticas e econômicas, de forma a abordar o fenômeno informacional de maneira social, conceitual e crítica.

La volonté d'obtenir une information est donc un élément nécessaire pour qu'un object soit considéré comme un document, alors que la volonté de son créateur peut avoir été autre."

Jean Meyriat (1967)
La sociologie et ses problèmes d'information scientifique
Fechar Menu